quarta-feira, 22 de julho de 2015

Luta contra o fim dos cursos públicos de dança de rua de Itanhaém


Yuri Quitério (Itanhaém, 12 anos)

Em Itanhaém, cidade que fica no litoral de São Paulo, os alunos de dança de rua do complexo Harry forssell de Itanhaem, ao receber a notícia de que as aulas seriam suspensas por causa da não renovação do contrato do nosso professor e a não abertura de um novo processo seletivo, criamos um abaixo-assinado pedindo ou a renovação do contrato ou a abertura de um processo seletivo e concurso público.
No dia 10/6 conseguimos um total de 467 assinaturas e resolvemos entregar, com a Geovanna e a Roberta Garcia, que são, junto comigo, alunas de dança, além do meu pai que me acompanhou, Vinicius Camargo.
Entregamos, primeiro no departamento de cultura, onde fomos recebidos pelo Ivan (coordenador de eventos) e Rodrigo (diretor de cultura), foi uma conversa bastante enrolada de tentativas de explicações e tudo mais.
Depois fomos na prefeitura, onde fomos recebidos pelo Fabio - chefe de gabinete do Prefeito, que fez de nem se importa com o que tava acontecendo. 
Foi dito que haveria uma reunião no dia 15. Não aceitamos que no final de tudo isso não seja decidido nada, vamos discutir até que garantam que vão continuar as aulas de dança.

Bom, no dia 16, a Roberta e a Geovana foram conferir o resultado da reunião, e acabaram não sabendo de nada, pois o chefe de gabinete do prefeito acabou faltando à reunião que no caso, discutira sobre a previsão do nosso caso de rebelião em uma das partes da reunião.
Para apoiar nossa luta, uma semana depois da entrega do abaixo-assinado, foi aprovado um requerimento do vereador Conrado do PT na câmara municipal pedindo explicações ao prefeito Marco Aurélio do PSDB sobre o fim das aulas e o prefeito tem um prazo de um mês para responder.

Alguns dias depois, ligamos para o departamento de cultura para vermos se havia algo de alguém a nos dizer, que, por sorte, teve. Além de ser, para variar, enrolado, descobrimos que  haverá um processo para a contratação da empresa que faz os processos seletivos para um concurso público geral na prefeitura. O ministério público não autorizou fazer processo seletivo para professor sem estar marcado um concurso público. Se contratarem a empresa para o concurso, aí poderá ter processo seletivo para voltarem as aulas em agosto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com