quinta-feira, 14 de março de 2013

Mais Big Mac e mais perversidade em 60s

Vejam abaixo um relato que é uma fotografia do sistema capitalista, no qual o primeiro emprego se torna uma armadilha para muitos jovens.


“Hoje fui no Caxias Shopping* e quase chorei (sem demagogia) quando estava na fila do McDonald's, pois a empresa colocou um dispositivo que, ao término da compra, pode ou não ser ativado pelo cliente, de forma que se em 60 segundos o pedido não for entregue, o cliente ganha um hambúrguer. Vi como os jovens funcionários ficam desesperados, é estarrecedor e de fato é uma mega-exploração. Me recusei a acionar o dispositivo e confesso que estou desistindo de lanchar nesse tipo de estabelecimento. Na boa, não consigo ver esse tipo de exploração, vai contra tudo pelo que luto... #CAPITALISMOSELVAGEM” (Alessandro Mendes*).


O objetivo desse novo processo é encurtar o tempo de entrega do lanche, de forma que coloca em confronto: clientes x clientes, clientes x funcionários e funcionários x funcionários. Imaginem o cliente que não acionou o dispositivo por não ter tanta pressa ou porque não quis colocar mais pressão em cima dos funcionários. E clientes que compraram o lanche depois dele e receberam o lanche na sua frente, por terem acionado o dispositivo. Temos então todos os ingredientes para uma receita de causar estresse em todos, tanto para quem está trabalhando, quanto para quem está lanchando. Agora só resta o Palhaço colocar no quadro da parede o chicote dos 60 segundos como funcionário do mês...

Muita gente acredita que multinacionais como o McDonald's, símbolo do imperialismo, são empresas de sucesso porque inovam nas formas de produção, marketing etc. Entretanto, a verdade é o contrário. Empresas como essas obtêm altas taxas de lucro porque reproduzem a velha exploração do homem pelo homem, do velho sistema capitalista. É a “modernidade” do Mc Lanche (in)Feliz que faz Chaplin, mesmo mudo e em preto e branco, continuar atualíssimo.

Sobre a jornada móvel variável

O McDonald’s está sendo processado por descumprir cláusulas legais relativas às jornadas de seus empregados A empresa impõe uma atrocidade chamada jornada móvel variável, que consiste em não fixar um horário de entrada ou saída de seus funcionários. Ou seja, em um dia, a pessoa pode trabalhar pela manhã e no outro trabalhar à tarde.

O funcionário fica à disposição da empresa para trabalhar na hora em que o patrão precisar. Depende do movimento na loja em cada dia. E pode ser dispensado para casa poucas horas em seguida. O resultado é que os funcionários não sabem ao certo quando vão conseguir tirar uma pausa para descanso. E como o McDonald's paga seus funcionários por hora, é amplamente sabido também que muitas vezes os jovens ganham um salário inferior ao salário mínimo. Absurdo!

Tudo isso só indica o grande desafio que temos pela frente: seguir lutando por melhores leis trabalhistas e mais direitos sociais que protejam o trabalhador, e não o lucro dos empresários. Ao mesmo tempo que precisamos combinar essa luta com a construção do socialismo.


Juventude Marxista - RJ
Março de 2013



* Membro da direção municipal da Juventude do PT Duque de Caxias. E da executiva estadual da JPT-RJ.

Um comentário:

  1. Esse sistema é semelhante a outros que são usados em empresas de telemarketing. A chamada contingência aciona funcionários a qualquer hora e a qualquer dia, ja cheguei a trabalhar 12h seguidas pois havia fila no atendimento. O descaso com as condições do trabalhador é revoltante.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com