segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A Luta Por Educação Pública e Gratuita Para Todos e Pelo Socialismo

Encontro Nacional da Juventude Marxista - 29 de março de 2013 - Barra do Sul/SC

O capitalismo sobrevive como um zumbi. Ao mesmo tempo em que segue o caminho da decomposição econômica, política, social e moral, a burguesia encontra fôlego para sua sobrevivência na brutal exploração dos trabalhadores.

A crise econômica do capital se transformou em crise social. Na forma de privatização e endividamento dos países, a burguesia joga seus prejuízos para os trabalhadores pagarem. Como resultado mais desemprego, mais miséria, menos educação, saúde, cultura. 


Mas os trabalhadores e jovens resistem no mundo inteiro. Na Grécia, na Espanha, em Portugal, em todos os cantos do planeta mobilizações massivas tomam as ruas contra a retirada de direitos dos trabalhadores e rebaixamento das condições de vida.

O planeta passa por uma cruel contradição. Alcançamos o desenvolvimento das máquinas, indústria, ciência, tecnologia e a capacidade produtiva dos trabalhadores em níveis jamais vistos na história. Entretanto, apesar da produção ser global, a propriedade privada dos grandes meios de produção (terras, fábricas, máquinas, matérias-primas) e a política nacional das burguesias impedem o pleno desenvolvimento do mundo e o fim da pobreza, pelo contrário, levam o mundo rumo à barbárie e destruição das próprias riquezas alcançadas.



Enquanto um mar de dinheiro público foi usado para salvar grandes bancos e empresas privadas, no Brasil, por exemplo, não há vagas para a juventude estudar nas universidades públicas.

No último ENEM, 5 milhões e 700 mil jovens se inscreveram para disputar uma vaga para estudar. Porém, apenas 350 mil conseguiram ingressar no ensino superior “gratuitamente” (100 mil via Sisu e 250 mil via bolsas Prouni). Os outros 5 milhões e 350 mil ficaram sem estudar ou tiveram que pagar mensalidade em alguma universidade privada, sem falar dos milhões de jovens trabalhadores que nem se inscreveram, pois não acreditam mais na possibilidade de prosseguir os estudos.

Com a política divisionista de cotas, as políticas de apoio à indústria da educação privada como Prouni, Fies e Reuni, o governo tenta abafar as pressões e jogar uma cortina de fumaça na bandeira histórica do Movimento Estudantil (ME): Educação Pública e Gratuita para Todos. Para isso conta com o apoio dos mais variados setores do ME, que iludidos com o reformismo, não acreditam mais na capacidade da juventude e os trabalhadores conquistarem uma verdadeira Educação Pública e Gratuita para todos, não acreditam mais na derrubada do capitalismo e construção do socialismo, dobrando-se assim aos capitalistas.

É nesse sentido que no CONEB da UNE a Juventude Marxista explicou que “para 2013 está previsto um orçamento de R$ 2,2 trilhões para a União. Desse orçamento, R$ 900 bilhões devem ser destinados ao pagamento de juros da dívida pública. Enquanto isso, apenas 73 bilhões estão previstos para a educação. Ao invés de pagar os juros da dívida pública (dinheiro do povo brasileiro que acaba no bolso dos capitalistas do mercado financeiro), reivindicamos que esse dinheiro seja aplicado para atender as necessidades mais sentidas do povo brasileiro, entre elas a garantia da universalização do acesso à universidade pública e gratuita já!”.

O PT chegou à presidência do país apoiado por uma onda revolucionária que ansiava por trabalho, educação, moradia e saúde. Mas o governo Dilma é um governo de coalizão entre o Partido dos Trabalhadores e uma série de partidos capitalistas (PMDB, PSB, PP, PR, etc.). Por isso, a receita “anti-crise” aplicada pelo governo brasileiro tem sido a de benefícios aos capitalistas, como privatizações, desoneração da folha de pagamento para setores da indústria, desoneração tributária, etc. E por outro lado, não atendimento das reivindicações dos trabalhadores.

O governo de colaboração de classes é incapaz de atender as demandas populares e nossas reivindicações. Só nossa mobilização independente, nossa unidade com a classe trabalhadora, pode arrancar as reivindicações e continuar a luta pelo socialismo. Por isso, nossa exigência é a de que o PT rompa com a burguesia, se apoie na UNE e no movimento estudantil, na CUT e no movimento sindical, no MST e nos movimentos sociais para a construção de um governo socialista dos trabalhadores.

No dia 29 de março de 2013 jovens revolucionários de várias partes do Brasil estarão reunidos em Barra do Sul (SC) no Encontro Nacional da juventude Marxista. Será um espaço para trocarmos experiências, avaliarmos o momento político e nos reforçarmos para a continuidade do combate por educação pública e gratuita para todos e por todas as reivindicações da juventude!

Vamos contar com a presença de um companheiro jovem da Inglaterra para discutirmos os acontecimentos revolucionários e a situação da juventude na Europa.


Participe de nossa conferência e junte-se a nós nesse combate!


Programação*

29/03/2013

08h00: A revolução na Europa e o lugar da juventude

09:30: “A Luta Por Educação Pública e Gratuita Para Todos”.

12h00: Almoço.

13h30: Passe-livre e Transporte Público

15h00: Sindicato de Estudantes, defesa das organizações .

17h00: Intervalo-café.

17h30: CONUNE, CONUBES.

20:00: Encerramento


*Haverá ainda uma mesa “drogas e capitalismo”


Entre em contato por e-mail: contato@juventudemarxista.com 

Jojó-PE (081-8679-3927), João Diego-SC (047-8424-71-93), Poeta-RJ (021-8728-8128), 

Caio-SP (011-98110-1336), Ramirez-MT (065-9280-9999) 

www.juventudemarxista.com | www.marxismo.org.br | www.marxist.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com