terça-feira, 7 de agosto de 2012

Até quando esperar – Plebe Rude

Luiz Alexandre Devegili
Militante da Juventude Marxista Joinville


A Geração Brasília foi responsável por uma mudança de rumo no Rock Brasil dos Anos 80. A etapa inicial, de letras ingênuas, deu lugar a uma fase politizada em que os jovens criados sob o manto férreo da ditadura botaram para fora sua revolta. Do centro do poder veio o desabafo através das canções da Legião Urbana e da Plebe Rude.

A Plebe surgiu da Turma da Colina (integrada por outras bandas como Os Paralamas do Sucesso e Aborto Elétrico, que posteriormente deu origem Capital Inicial e Legião Urbana), nome dado a um grupo de jovens que se reuniam entre o final da década de 1970 e o começo da década de 1980, na Colina, conjunto de prédios habitacionais localizados na UnB, em Brasília, numa época em que a polícia invadia a universidade para bater em estudantes e professores, em que a censura proibia canções e vetava sua execução pública. Isso na área da música popular, sem contar a perseguição ao teatro e à imprensa.

Seus temas apontam para as incertezas políticas do país desde os estertores da ditadura até a atualidade e para o comportamento do ser humano em meio às dificuldades da vida. O estilo da banda, repleto de críticas sociais e políticas, reflete toda a cultura punk da época, porém com uma preocupação maior nas composições e elaboração dos arranjos e melodias.

Feita em cima da frase de André X "com tanta riqueza por aí, onde é que está, cadê sua fração?" Philippe Seabra completou a letra em 84. A música demonstra o conflito do cidadão de classe média ao se deparar com a miséria desesperadora do dia a dia. "Não e nossa culpa, nascemos já com uma benção..." Mas também foi um dos protestos mais fortes da má distribuição de renda no país jamais feito.

Lulu Santos, Paralamas, Cólera, Tantra e Capital Inicial, sem mencionar inúmeras bandas 'cover', já tocaram a música ao vivo. É um clássico. A Universidade de Brasília usava a música para ilustrar a desigualdade social no Brasil para os alunos de certas matérias.

Até Quando Esperar - Plebe Rude

Não é nossa culpa
Nascemos já com uma bênção
Mas isso não é desculpa
Pela má distribuição

Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração
Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração

Até quando esperar

E cadê a esmola que nós damos
Sem perceber que aquele abençoado
Poderia ter sido você
Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração
Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração

Até quando esperar a plebe ajoelhar
Esperando a ajuda de Deus
Até quando esperar a plebe ajoelhar
Esperando a ajuda de Deus

Posso
Vigiar teu carro
Te pedir trocados
Engraxar seus sapatos
Posso
Vigiar teu carro
Te pedir trocados
Engraxar seus sapatos

Sei
Não é nossa culpa
Nascemos já com uma bênção
Mas isso não é desculpa
Pela má distribuição
Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração
Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração
Até quando esperar
A plebe ajoelhar
Até quando esperar
A plebe ajoelhar
Esperando a ajuda do divino Deus

Fonte:

http://www.pleberude.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=4&Itemid=45

http://www.pleberude.com.br/site/index.php?option=com_jukebox&view=category&id=9&Itemid=53

http://pt.wikipedia.org/wiki/Plebe_Rude

http://letras.mus.br/plebe-rude/48161/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com