sábado, 18 de fevereiro de 2012

A única perspectiva para o povo grego é o socialismo

Gregos protestam contra novo plano de austeridade que preve reducao do salário mínimo e corte nas aposentadorias. Fonte: Internet.

O parlamento grego aprovou um novo pacote de austeridade, nesse domingo (13/02). A medida foi uma exigência do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central Europeu (BCE) e da União Européia (EU). Essa decisão foi tomada em acordo para liberar um pacote de resgate de 130 bilhões de euros (R$296 bilhões) que será usado para pagar as dívidas gregas com banqueiros e especuladores.

Essas medidas terão consequências drásticas para os trabalhadores e jovens gregos. Segundo os jornais, houve cerca de 100 mil pessoas protestando contra esse acordo, nesse domingo. 80 mil em Atenas e 20 mil em Tessalônica.

O plano de austeridade exige:

1. Uma redução do salário mínimo em 22% para os trabalhadores em idade acima 25 anos e 32% para quem tem menos. Isso significa que o atual nível salarial, que é de €751 bruto irá cair para €586, ou €470 euros por mês, se descontarmos os impostos. Para os jovens isso significa €350. Com isso, o seguro desemprego também irá cair. Atualmente os trabalhadores recebem durante um ano o valor de €460;

2. Após essa redução, o salário mínimo será congelado até 2015;

3. Congelamento em todos os aumentos de salários até que o nível de desemprego seja reduzido dos atuais 20% para menos de 10%.

4. Os acordos coletivos, entre sindicatos e empresários passam a valer por três meses, nesse período são automaticamente renovados. Caso não haja acordo, os salários serão revertidos ao salário mínimo. Com isso, toda a classe burguesa espera reduzir o custo trabalhista em 15%.

5. Privatizar empresas estatais até junho de 2012, incluindo a Distribuidora de gás, Petróleo, agências de apostas, companhias de água e as empresas de saneamento e o centro internacional de rádiosdifusão. Assim, planejam atingir 19 bilhões de euros.

6. 3,3 bilhões de cortes em despesas públicas incluindo 1 bilhão em despesas farmacêuticas; 7. Cortes de 300 milhões em pensões em 2012 e 325 milhões em 2013, isto inclui uma redução de empregados nas empresas públicas e corporação do poder público em 15%, assim como nos marinheiros em 7%.

8. Redução de 15.000 empregos no setor público parte de um total de 150.000 a serem destruídos em 2015. A Grécia possui quase 11 milhões de habitantes, dos quais cerca de 4 milhões são economicamente ativos. Mais de um milhão estão desempregados, sendo que a maior parte desses é jovem.

As medidas tomadas pelo governo de coalizão, que inclui Pasok, Nova democracia e a extrema direita Laos visa apenas atender os interesses da burguesia européia. Agem como fantoches jogando todos os custos das crises sobre os trabalhadores. Para eles, não existe medida além do capitalismo. Por esse motivo os trabalhadores e jovens têm como única perspectiva o socialismo. A juventude Marxista é solidária à luta do povo grego e por isso irá organiza no Brasil uma campanha de debates nas universidades e escolas a partir de março para discutirmos com todos os jovens e trabalhadores a luta pela revolução internacional e em apoio à luta dos trabalhadores e jovens gregos.

João Diego Leite


NOSSAS MÍDIAS SOCIAIS
Twitter: @Juv_Marxista
Facebook. Clique aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com