domingo, 29 de janeiro de 2012

Polícia prendeu mais de 100 ativistas do Ocuppy Oakland. Ao todo já somam 6129 "indignados" presos

Este artigo foi atualizado ás 23:58h de 29/01/12



Os jornais dos EUA informaram neste domingo que ocorreram detenções em massa na cidade americana de Oakland após os confrontos registrados entre manifestantes e policiais. A maioria das detenções aconteceu quando os ativistas bloquearam diferentes pontos da cidade e entraram em alguns prédios, como o da Prefeitura.

Mais de 6.100 pessoas foram presas pelas forças de segurança dos EUA desde que foi criado o movimento de protesto "Ocupa Wall Street", que se manifesta contra o desemprego, a política do poder e os institutos financeiros, aos que os membros da marcha qualificam de "tubarões do capitalismo" e "terroristas financeiros". (Diário Liberdade, 29/01/12)

Os "indignados" fazem cálculos dos casos registrados de detenções realizadas pela Polícia. Segundo revelam os dados, desde setembro do 2011 até este 28 de janeiro as forças de segurança estadunidenses detiveram ao todo 6.129 pessoas em 110 cidades norte-americanas. As razões principais das detenções foram a insubmissão ante as autoridades e a desordem pública. (idem)


Não deixe de ler nossa análise marxista sobre esse tema no artigo abaixo.

“Indignados” e “Ocupe Wall Street”: Caráter e perspectivas. De autoria de Serge Goulart, Secretário Geral da Esquerda Marxista. Trecho: "O movimento revolucionário que começou na Tunísia invadiu o Egito e levou milhões à Praça Tahrir, varreu todo o Oriente Médio e o Magreb (norte da África), derrubou ditaduras e tocou o mundo. O pano de fundo de tudo é a crise capitalista que tudo toca e tudo destrói trazendo maiores sofrimentos para bilhões de seres humanos que vivem de seu trabalho. Os elos mais fracos saltaram primeiro, mas agora é a vez da Europa e Estados Unidos. Em breve chegará a vez do Brasil."



NOSSAS MÍDIAS SOCIAIS
Twitter: @Juv_Marxista
Facebook. Clique aqui


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com