sábado, 29 de outubro de 2011

Frente Única contra aumento de mensalidades na faculdade Ielusc, em Joinville

Os militantes da Juventude Marxista (JM) que intervém no movimento estudantil da Associação Educacional Bom Jesus/Ielusc, em Joinville, estão à frente da discussão sobre o aumento das mensalidades nessa instituição. O objetivo é construir uma ampla Frente Única para lutar contra o aumento e pautar as melhorias estruturais e pedagógicas do ensino.

A JM impulsionou uma carta aberta, que segue abaixo, convidando todos os estudantes e entidades estudantis para integrar essa luta e convocando uma Plenária Contra o Aumento das Mensalidades e Por Qualidade no Ensino para o dia três de novembro. Essa carta teve a adesão do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da instituição e está sendo divulgada paralelamente à distribuição do jornal universitário Faíska, expressão da JM no Ielusc. 

Segue a carta aberta na integra:

Carta aberta à comunidade acadêmica do Ielusc

Todos os anos estudantes da Associação Educacional Bom Jesus/Ielusc sofrem com aumentos nas mensalidades de seus cursos, o que não se refletem na melhoria do ensino. Como resultado direto disso, as mensalidades tornaram-se impagáveis, a defasagem acadêmica tornou-se evidente e a qualidade estrutural e pedagógica foi adequada aos “critérios do mercado”. Diante de mais uma previsão de aumento, os estudantes do Ielusc, mensalistas e bolsistas, precisam se organizar e mostrar à instituição que queremos melhorias no ensino e não mais aumentos injustificados.


Pensando em manter os gordos lucros, a instituição abriu mão de manter um ensino altamente conceituado nos últimos anos. Em 1995, quando foi fundada, surgia como um projeto educacional que ofereceria cursos com qualidade referência e alta lucratividade. Porém, como os lucros obtidos ao longo dos anos não atenderam às expectativas de quem os queria, iniciou-se um processo gradual de corte de gastos, substituição de corpo docente, sucateamento estrutural e desestimulo institucional. A instituição “adequou-se ao mercado”.

Além dos cursos não aumentarem, diminuíram. O curso de Turismo foi extinto e o de Educação Física está perto de formar as últimas turmas. A defasagem acadêmica tornou-se um pesadelo para estudantes e coordenadores. Por não conseguir pagar o elevado custo do sonho da formatura ou por se desestimular com o que lhes é apresentado, vários estudantes desistem dos cursos. Há, porém, aqueles que se mantém firmes nos seus estudos, pagam os valores astronômicos, convivem com a educação sendo pensada com a política de mercado e veem que a vida acadêmica poderia ser muito melhor do que é.

Contra tudo isso, os estudantes possuem como única arma sua própria organização. É dessa forma que a frustração de cada estudante individual pode ser ouvida, porque quando centenas de frustrações se unem não há como serem ignoradas. É preciso que os estudantes se reúnam, nos pátios ou corredores, debatam o aumento, questionem a situação e se manifestem à instituição, explicando que querem melhorias no ensino e não aumentos nas mensalidades.

Dia 03 de novembro, um dia depois do feriado, está convocada uma Plenária Contra o Aumento da Mensalidade e Por Qualidade no Ensino. Ela ocorrerá no quiosque da Unidade Centro, as 21h. Todos os estudantes, representantes de turma, entidades estudantis e agrupamentos estudantis que se preocupam com a qualidade de seus cursos e futuros profissionais estão convidados a participar, expor suas opiniões e ajudar a traçar um plano de ação para dialogar com a direção do Ielusc e apresentar-lhes os pontos de vistas dos estudantes. 

Assinam a carta:

Juventude Marxista, organização de jovens da Esquerda Marxista do PT

Diretório Central dos Estudantes Florestan Fernandes (DCE do Ielusc)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com