sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Vitória dos estudantes no Piauí!


A População que não ficou de braços cruzados com o golpe da prefeitura que a cerca de 100 dias já vinha discutindo o transporte público através do Fórum Estadual do transporte Público.

O abusivo aumento de 10,53% autorizado pelo prefeito Elmano Férrer (PTB) logo repercutiu nas entidades estudantis e nos movimentos sociais, bem como nas redes sociais que mobilizou os estudantes para se encontrar na segunda-feira, dia 29 de agosto, na Avenida Frei Serafim, que foi o palco de todas as concentrações, dando início às sucessivas manifestações.

O primeiro dia foi marcado pela indignação coletiva dos estudantes, que entraram em confronto com a polícia militar. A tropa de choque foi acionada e efetuou tiros de bala de borracha e usou spray de pimenta contra os estudantes que por volta de meio dia já eram cerca de 200. No momento em que alguns estudantes foram detidos, mesmo sem esboçar reação, alguns jovens chegaram a ser agredidos por policiais.

Na terça-feira, dia 30 de agosto, os atos policiais só aumentaram a indignação dos manifestantes, que com outras entidades continuaram a mobilização através das redes sociais e conseguiram parar o Centro da Cidade por toda à tarde, sendo que o protesto cada vez mais conquistava a população teresinense.

Intransigência

No terceiro dia de protesto, ainda concentrados na Avenida Frei Serafim uma massa lutadora estudantil e dos movimentos sociais se dirigiram para o Palácio da Cidade, onde não foram recebidos pelo Prefeito, mostrando a intransigência ao não negociar. Houve novos confrontos na Praça da Bandeira entre policiais e estudantes. No final da tarde o Ministério Público Estadual promoveu uma rodada de negociações com os estudantes e a Prefeitura, que não obteve nenhum avanço no diálogo, ficando acordado que o Prefeito Elmano Férrer daria uma resposta na quinta-feira, dia 1 de setembro.


Com quatro dias de mobilização os estudantes de todas as partes da cidade se dirigiram novamente para o Palácio da Cidade para obter uma resposta do Prefeito, que mais uma vez negou a redução do aumento da passagem. A ação do Prefeito deixou os manifestantes mais revoltados ainda que saíram pelas ruas de Teresina em atos de rebeldia, chegando a incendiar ônibus. As manifestações transcorreram até à noite, pois o SETUT tirou os ônibus de circulação e os atos foram matérias em jornais de redes de televisão nacionais.

Ainda na quinta-feira, o diretor do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal do Piauí (DCE-UFPI), Cássio Borges foi convidado para um debate em uma TV local, o que foi fator fundamental para o recuo do prefeito na sexta-feira (2), pois durante o debate Cássio Borges argumentou que a prefeitura deveria suspender o aumento até a conclusão da auditoria nas 13 empresas de ônibus e desconstruiu a imagem negativa do movimento que estava sendo potencializada pela imprensa.

A vitória

Sexta-feira era o quinto dia de manifestação e o movimento se dirigiu à Câmara Municipal para tentar o apoio dos vereadores, ainda na Câmara os estudantes foram informados que depois de cinco dias de pressão o prefeito cede, e suspende o valor de R$ 2,10 por 30 dias, prorrogáveis por mais 30, (...). Com o ato o prefeito autorizou a participação dos estudantes na Comissão de Auditoria.

Estima-se que durantes os atos cerca de 15.000 pessoas ocuparam as ruas de Teresina em protesto por mais de 5 dias, totalizando 60 horas de manifestação. Os atos foram organizados, entre outras entidades, pelo DCE-UFPI, pelo coletivo estadual da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES), pela União Municipal de Estudantes (UMES), (...).

Por Gardiê Silveira, 06/09/11

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com