segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Ocupação da Reitoria da UFF completa 5 dias

A manifestação completou cinco dias neste domingo (04/09) e continua sem data pra terminar.



Em 02/09 a REItoria da UFF (Universidade Federal Fluminense) divulgou nota no site da universidade tentando deslegitimar e desmoralizar o protesto estudantil, mas não está conseguindo. Alegou que a manifestação é uma “atitude inexplicada” e que só irá “abrir o diálogo após a desocupação do prédio”. Essa postura evidencia que se há algo coerente na administração desta universidade é a sua filosofia de que nada substitui a hipocrisia, nada. O que o REItor Roberto Salles e seu vice Sidney Melo estão tentando é inverter os fatos e confundir a comunidade universitária e a sociedade.




Afinal, quem realmente rompeu o “diálogo”? Os estudantes, que no dia 31/08 apresentaram uma pauta de reivindicações para ser discutida na sessão ordinária do Conselho Universitário? Ou a REItoria, que diante da forte pressão da bancada discente e massiva presença estudantil, executou a manobra parlamentar mais banal desde o Senado da Roma Antiga, sinalizando com uma piscadela para seus subordinados abandonarem o auditório, assim esvaziando o quórum do Conselho? Os estudantes sempre buscaram o diálogo, desde o início. Por isso a ocupação da REItoria é mais do que legítima. Se a administração da universidade já se encontra com diversos problemas por conta do fechamento do prédio no seu quarto dia útil, a culpa é unicamente do REItor que se nega a discutir a pauta do DCE, desde antes do Conselho Universitário de 31/08.


Sobre acusação de que o protesto estudantil não teria fundamento, faltam adjetivos no dicionário para qualificar tamanho cinismo. Entre os primeiros itens da pauta do DCE está “mais segurança para os estudantes”. Um dos motivos que levou a entidade a apresentar esta reivindicação é a lista de acidentes de transito envolvendo estudantes do Pólo do Rio das Ostras. “Instalação de um semáforo na Rod. Amaral Peixoto”, foi o que pedia há 3 anos a Prefeitura deste município com os abaixo assinados e as passeatas que os estudantes realizaram. O semáforo foi instalado dia 26/08/11, um dia depois da aluna Maria Clenilda ter morrido, vítima de atropelamento. Será que a vida das pessoas não é um assunto importante para o REItor parar, sentar e discutir? A Ocupação é legítima, pois no limite só assim os estudantes se fazem ouvir. Se a REItoria fosse mais solícita às reclamações, teria pressionado a Prefeitura do município a colocar o semáforo muito tempo atrás. E é incrível como nem mesmo a dor do filho e dos colegas de Maria parecem ser capazes de sensibilizar o REItor. Os estudantes continuando aguardando o momento para apresentar as suas proposições, há sérios assuntos a se discutir.

Outro item da pauta do DCE nos leva a duvidar se esse texto foi sequer lido pelo REItor. Como chamar a manifestação de “atitude sem explicação” quando o mesmo levanta a bandeira de denúncia e protesto contra os cortes de 3 bilhões do governo federal no orçamento da educação? Aliás, se o REItor da UFF fosse um administrador realmente sério, se juntaria aos estudantes e iria ombro a ombro com eles eles reclamar junto ao governo. Se o REItor não estiver mais esquecido do que a Vanuza que se esqueceu da letra do Hino Nacional quando cantava, lembrará que o MEC deu sinal verde para o plano de expansão apresentado pela UFF, o maior entre as federais, e no ano seguinte dá uma machadada de 3 Bilhões no orçamento da educação... Não é á toa que há grande carência de professores e funcionários na universidade. Há falta até mesmo de salas de aula, os containers dos Pólos do Interior não nos deixam mentir. 

É inadmissível que a REItoria da UFF seja tão subalterna ao governo a ponto de atacar os estudantes que estão defendendo o interesse que é dela também, ou seja, exigir mais verbas para a educação. Na pauta do DCE temos: “Levantamento real do déficit de professores e servidores nos cursos para que a UFF reivindique, junto ao MEC, que essa carência seja suprida, em especial nos campi do interior”. Qual é a dificuldade da REItoria da UFF colocar isso em prática? Será que ela não quer que a universidade funcione plenamente?

Por tudo isso e mais um pouco os estudantes ocuparam a REItoria da UFF no dia 31/08/11, e permanecerão ocupando até que suas reivindicações sejam atendidas.

Não param de chegar solidariedade ao protesto. Envie uma moção de apoio da sua entidade estudantil. Acessem o blog da ocupação.



Flávio Almeida Reis
Militante da Juventude Marxista e Estudante de Geografia da UFF
05/09/11

Um comentário:

  1. muito bom ein, fico de cara com esses engomadinhos que tentam enganar a força estudantil kkkk

    ResponderExcluir

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com