sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

PORQUE JOHN LENNON SE DESTACOU DO RESTO




Faz 30 anos que foi morto John Lennon. Por ficar contra a Guerra do Vietnã, por sua oposição ao Governo Nixon e seu apoio aos Panteras Negras, John quase foi deportado dos EUA. Há quem diga que seu assassinato por um fã obcecado tenha sido obra da CIA.


O ex-Beatle, que chegou a ser investigado pelo FBI, classificou sua canção de maior sucesso, 'Imagine', como 'Anti-religião, anti-convencional, anti-nacionalista e anti-capitalista'. Publicamos aqui um artigo de um camarada inglês, Steve Jones, escrito por ocasião dos 25 anos do assassinato de John Lennon, em 8 de Dezembro de 2005.




O 25º aniversário da morte do ex-Beatle, John Lennon, em Nova York em 8 de dezembro de 1980, após levar tiros de um fã perturbado, sem dúvida será marcado com interesse e atenção da mídia por muita gente ao redor do mundo. A manifestação pública de luto e pesar pela morte de uma estrela de rock, só foi igualada – e estamos falando de dentro dos EUA – pela de Elvis Presley (1977) e Jerry Garcia (1995) e em menor grau, Bob Marley e Kurt Cobain.



Muitos outras estrelas do rock e do pop têm dado seu último suspiro ao longo dos anos, alguns sem que ninguém realmente perceba. A semelhança entre estes que mencionamos aqui foi o fato de todos terem tido uma morte prematura e que eram vistos como, de uma forma ou de outra, ícones, cujas vidas tocaram um acorde nas pessoas.


Como um ex-Beatle, a morte de Lennon nunca iria passar desapercebida, mesmo se ele tivesse morrido na terceira idade de causas naturais, mas o efeito que sua morte teve sobre as pessoas - e ainda hoje tem - não pode ser atribuído simplesmente à sua fama. Também não pode ser explicado pelo sucesso de sua carreira solo - porque em comparação com muitos outros, não foi tão bem-sucedida.


Seus primeiros álbuns solo foram em grande parte experimentais e só chegaram a um mercado limitado. Depois, álbuns como "Imagine" e "Mind Games" foram mais vendidos, mas provavelmente hoje não estão em coleções de muitas pessoas. Ele teve algum sucesso com os compactos, mas, novamente, apenas uma canção permaneceu em circulação até hoje - Imagine. Depois de 1975 ele não lançou nenhuma gravação e nem fez show algum, saindo completamente de cena até pouco antes de sua morte, quando ele lançou com sucesso moderado o álbum "Double Fantasy".


Assim, em muitos aspectos, era mais pelo homem do que pela música que as pessoas estavam lamentando. Como um Beatle, John Lennon era visto como sendo o rebelde cujas canções revelavam uma profundidade escondida contra o feliz e comercial (Paul), o insolente e individualista (Ringo) ou o místico maluco (George). Ele também seria o primeiro Beatle a assumir claramente as causas sociais e políticas.


Após o início de seu relacionamento com a artista Yoko Ono em 1968, ele começou uma campanha contra a guerra – “Bed in!” (na cama) – e lançou o hino "Give Peace a Chance" (Dê uma chance à paz). Mais tarde canções que tratavam do racismo, do Vietnã, dos direitos das mulheres e da Irlanda do Norte. Ele era conhecido por apoiar financeiramente causas de esquerda e, como resultado, conseguiu uma ficha um tanto quanto grande no FBI e teve problemas para obter uma licença de trabalho nos EUA.


Depois de sua ruptura com o alcoolismo e com o abuso de drogas, ele também tratou da questão da violência doméstica e do efeito provocado pela bebida nas relações pessoais. Muitas de suas canções a esse respeito estavam profundamente dedicadas a extrair seus demônios interiores, alguns dos quais o levaram de volta à sua infância caótica. Sua vontade de dar uma formação estável a seus filhos o levou diretamente ao período de reclusão do final dos anos 70 quando ele buscou se tornar um “dono de casa”.


No entanto, mesmo nesse retiro, nessa aposentadoria, ele permaneceu um forte ativista pela paz e pela justiça social. Ele teve alguns problemas em em relação a isso por sua enorme fortuna, que ele discutiu em entrevista à revista Playboy:


PLAYBOY: A propósito de sua fortuna pessoal, o New York Post disse recentemente que você teria admitido ser mais de US$ 150 milhões (1980) e...


LENNON: Nunca admiti nada.


PLAYBOY: O Post disse que você admitiu.


LENNON: O que diz o Post? - OK, então nós somos ricos, e daí?


PLAYBOY: A pergunta é: Como isso se adequa à sua filosofia política? Você é supostamente socialista, não é?


LENNON: Na Inglaterra, há apenas duas coisas para ser, basicamente: Ou você apóia o movimento dos trabalhadores, ou o dos capitalistas. Ou você se torna um Archie Bunker de direita se você estiver na classe em que eu estou, ou você se torna um socialista instintivo, que eu era. Isso significava que eu acho que as pessoas deveria ter direito a dentadura, serviço de saúde pelo resto da vida. Mas tirando isso, eu trabalhei por dinheiro e eu queria ser rico. Então oras - se isso é um paradoxo, então eu sou um socialista. Mas eu não sou nada. Eu costumava me sentir culpado pelo dinheiro. É por isso que eu o perdi, seja por doá-lo ou me deixando ser prejudicado por ditos empresários.


Esse dilema à parte, a reputação de Lennon, como um idealista cujos pontos de vista como um militante por uma sociedade melhor, permanece intocada mesmo após décadas de cínicas "reavaliações".


Todo ano, nesta época, sua canção de maior sucesso comercial 'Imagine' fica tocando sem parar no rádio. Mas não é simplesmente uma bela canção de Natal cheia de chavões sem sentido, mas sim expressa uma visão de mundo que muitos de nós estaríamos de acordo:


Imagine que não haja posses
Gostaria de saber se você consegue
Nenhuma necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade de homens
Imagine todas as pessoas
Compartilhando o mundo todo...


No momento em que o mundo do rock e do pop parecia estar obcecado em ganhar dinheiro e diversão e não dar a mínima para o resto, e o mundo político estava prestes a ser dominado pelo reacionarismo da dupla Thatcher e Reagan, Lennon foi visto como um ponto de resistência contra essa falta de humanidade. Sua mensagem era a de unidade, paz e um futuro melhor para todos - uma mensagem a que, principalmente, muitos jovens, responderam em 1980 e ainda 25 anos depois:


Você pode dizer que sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que algum dia você se junte a nós
E o mundo viverá como um só




É uma mensagem que exige de nós mobilizar a juventude e os trabalhadores do mundo para derrotar o imperialismo e o capitalismo e construir um futuro socialista que fará dessa letra uma realidade.


Steve Jones
Londres, 8 de dezembro de 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com