quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Estudantes se organizam em Pernambuco

A juventude não precisa do capitalismo nem das conseqüências deste. A juventude precisa se organizar e reivindicar por melhores condições de vida, ou seja, o socialismo” (Neto – JM)

O Boletim Nacional da Juventude Marxista entrevista Francisco Neto, uma das principais lideranças do movimento estudantil de Condado, cidade do interior de PE.
BNJM – Neto, Como você conheceu a Juventude Marxista?
Neto - Conheci a juventude Marxista quando almejei lutar pelo movimento estudantil de forma organizada, levantando bandeiras históricas e defendendo a atuação dos grêmios como verdadeiro sindicato dos estudantes. Fiz diversas pesquisas na internet, e os manifestos e artigos com coerência às nossas necessidades foram os da Juventude Marxista. Recebi um convite para participar do 12º Encontro Nacional da JM, na fábrica Flaskô [ocupada pelos trabalhadores] e aprofundei meus estudos dentro da organização, em janeiro de 2010 decidi me integrar na Esquerda Marxista, e consequentemente na JM.

BNJM - Como é a situação das escolas públicas de Condado, qual a maior dificuldade dos estudantes?
Neto - Condado tem cerca de 30 mil habitantes e apenas duas escolas estaduais de ensino médio. Nossos estudantes precisam sair da cidade para alcançar a graduação e a luta mais intensa em condado é pelo transporte universitário para todos os níveis. Os estudantes ainda estão se reconhecendo como agentes políticos, graças à atuação do movimento estudantil dentro das escolas.

BNJM - Como anda a JM em Condado? Qual as perspectivas?
Neto - Em janeiro intensifiquei as discussões com alguns militantes do ME. Após o trabalho no grupo de estudos marxistas que tem em Condado conseguimos mais quatro novos militantes. Estamos em discussão com mais duas pessoas. Já ganhamos dois grêmios, precisamos ainda intensificar as discussões com os membros e almejamos até o final de 2010 ter representação dentro do sindicado dos servidores municipais.

BNJM – Neto, deixe um recado final
Neto - É visível a insatisfação no rosto de cada jovem pelas condições de exploração que o capitalismo trás, e que não percebem como podem mudar essa realidade já que a grande maioria está sofrendo com as drogas e a falta de oportunidade.
A juventude não precisa do capitalismo nem das conseqüências deste. A juventude precisa se organizar e reivindicar por melhores condições de vida, ou seja, o socialismo. Estamos de portas abertas para as discussões com qualquer jovem. Junto venceremos. Viva a revolução!

Fonte: Blog JM

Um comentário:

Comentários anônimos serão excluídos, identifique-se. Se preferir entre em contato pelo e-mail: juventudemarxista@gmail.com